Cestvs: The Roman Fighter #4 e #5 | A hora de brilhar

Cestvs: The Roman Fighter #4 e #5 | A hora de brilhar

Bom, passada a frustração com o terceiro episódio, eu já ia começar o texto me desculpando por não ter postado semana passada, porém quem assistiu o quarto capítulo vai entender que literalmente não tinha o que falar. Se tirarmos a preparação para a luta e o começo dela em si, que é a primeira cena do começo do anime sendo reprisada, e os flashbacks que foram somente extensões de cenas que já vimos antes, acho que sobra uns cinco minutos ou sete minutos, sendo bem otimista. Não tinha o que falar, então é melhor pularmos diretamente para cá.

Temos enfim a luta que parece ser o ponto alto da obra, onde ela de fato começa a se desenrolar e vemos Emden e Cestvs expressando suas convicções e desejos mais intensos através de seus punhos. É triste que a motivações da luta não consigam se sustentar pelo que foi apresentado durante o anime, devido ao fato de não termos visto desenvolvimento algum dos dois personagens até agora (muito ainda por conta daquele timeskip bizarro do terceiro episódio, infelizmente sempre será o grande problema a ser lembrado), então é inevitável assistir sem ficar com com a mesma dúvida em mente: “é sério que a luta principal do anime acontece por ciúmes de três pessoas que mal se conhecem?”

Então é assim que um vilão é moldado?

Foi até interessante conhecer o passado do Emden e ver como surgiu o seu envolvimento com a Sabina, mostrando como as pessoas em situações adversas conseguem superar suas dificuldades e fraquezas em busca de algo melhor, se agarrando em qualquer oportunidade de melhora de vida num claro instinto de sobrevivência, onde aquelas crianças deixam de ser apenas jovens desnorteados e famintos e se tornam verdadeiros guerreiros. É bacana ver que Emden foi moldado desde cedo como um guerreiro pela sobrevivência, mas sinto que isso perdeu um pouco do peso por ter sido contado por um personagem periférico a disputa, e não pelo próprio lutador em si. Seria um ponto muito mais interessante para a história ver esse flashback pela própria perspectiva do lutador, e a partir desse seu passado reconhecer em Cestvs, seu rival, aquele mesmo espírito de sobrevivência após se levantar repetidas vezes, mesmo após uma concussão. Mas seria pedir demais de um anime que não sabe contar a própria história.

Mas tirando esses aspectos que continuam não melhorando desde o começo da obra, a luta nos traz finalmente o momento em que o anime brilha!

Foi literalmente o ponto alto até aqui, onde a ação e o combate entre os lutadores é muito bem feito, te faz querer assistir mais daquela luta. Os estilos distintos de cada lutador são bem expressados no episódio, vemos claramente como o emocional e a personalidade dos dois influencia em seu modo de lutar, e o anime busca ser lógico, sem grandes protagonismos ou ideias malucas para explicar do porque eventos absurdos aconteceram na luta. Claro, ele também possui características irritantes normais de outros shounens, como as pausas no meio da ação para grandes monólogos explicando o que já estamos vendo (isso acontece muito em Naruto, Cavaleiros do Zodíaco, etc) e que poderiam simplesmente dar um jeito de expressar todas essas informações dos monólogos através de reações do lutadores ou dos espectadores por exemplo, mas nada que tire a empolgação que a luta conseguiu trazer neste episódio.

Isso quer dizer que o anime está salvo? Com certeza não, longe disso.

As motivações dos personagens continuam muita fracas e sem uma âncora que as sustente, a (falta de) história ainda é um problema gritante, mas é bom perceber que pelo menos na função primária de um anime de boxe, que é a luta, ele consegue te entregar um material interessante e que não seja totalmente descartável. No geral, gostei do episódio comparado ao que vinha acompanhando desde o início de sua temporada, espero que pelo menos nesse quesito ele continue crescendo, porque acho muito difícil ter uma história boa que se salve ali.

Vitto

Após fracassar em conseguir uma armadura de bronze, decidiu escrever sobre cultura japonesa. De vez em quando sai algo bacana. Já te disse que tenho um blog?