Haven | O que vale o amor?

Haven | O que vale o amor?

Um casal fugindo de um sistema autoritário, uma nave quebrada e um planeta a se explorar. Haven é um jogo com um tema usado em várias obras de diferentes mídias, o clichê do romance “dois contra o mundo”, algo visto em Romeu e Julieta ou nas várias adaptações da história de Bonnie e Clyde. Mas a aproximação do tema pelo estúdio francês The Game Bakers é diferente, tomando o tempo necessário para conquistar o jogador aos poucos.

Após uma sequência de abertura lindíssima, Haven começa apresentando seus protagonistas, o casal formado por uma mecânica determinada, Yu, e pelo tranquilo biólogo Kay, seguindo sua rotina, e com as conversas dos dois é possível ter uma ideia da situação em que se encontram. Logo, um terremoto subitamente derruba a nave da dupla e a danifica, também separando os dois dela, e então tomamos controle para encontrar um caminho de volta.

 

Gameplay

Chegamos ao ponto que nos é apresentada a gameplay do jogo, muito baseada em movimentação e exploração. Os cenários lindos e cheios de cores tornam flutuar pelas ilhas do jogo algo extremamente prazeroso, algo que enche os olhos, acompanhado de uma trilha sonora muito relaxante, que chega até mesmo a lembrar o gênero do Lo-Fi. Flutuar por aí é algo que o jogador irá fazer bastante, sendo bem repetitivo, mesmo que prazeroso.

Após um tempo, o objetivo se torna reparar a nave com peças encontradas explorando as várias ilhas do game, para ir ao fim do jogo. Com isso, ocorre a introdução dos elementos de RPG, com as batalhas de turno contra seres do planeta infectados, num sistema bem raso mas divertido pelas lutas não durarem muito, e o maior diferencial é poder realizar ataques e outras ações juntos. Pelo mapa inteiro, temos “fluxo” e “ferrugem”, com o Fluxo sendo uma forma de energia, enquanto ferrugem é um tipo de contaminação para a natureza do planeta. A dupla utiliza ambos num sistema de “surfe” para novas áreas com o fluxo, e craft de itens com a ferrugem.

 

O tesouro de Haven

Mas é necessário lembrar que apesar de tudo, Haven é a história de um casal superando várias adversidades. A gameplay tem problemas sérios de repetição e escassez de variedade, mas o que realmente faz essa experiência brilhar é relação de Yu e Kay. Um relacionamento extremamente realista no que tange as interações entre os dois, como eles conversam, e a casualidade transmitida através da intimidade de ambos. O casal retrata as várias faces e relevos que um relacionamento amoroso pode enfrentar, principalmente diante de decisões importantes. Vemos interações engraçadas, sérias, fofas, divertidas, tensas, casuais, e todas perfeitamente críveis e impactantes, marcando o jogador com esse casal tão carismático.

Isso também atinge as mecânicas do jogo, já que existe o “nível de intimidade”, que aumenta ao longo que o jogador faz atividades com o casal, craft de itens, cozinhar, vencer lutas e encontrar eventos pelo planeta, e para quem gosta de ver as interações do casal é algo muito interessante. Aumentar o nível de intimidade fornece mais vida máxima e habilidades novas, fazendo essa mecânica substituir o sistema de “level up” normal da maioria dos RPGs.

 

Considerações Finais (Sem spoilers)

A experiência de Haven é muito memorável pela história e seus personagens, apesar de serem apenas dois, são espetaculares em deixar o jogador entretido. Apesar de um mapa grande para se explorar, a gameplay não oferece muita variedade do que se fazer pelo planeta, se tornando facilmente repetitiva e seu fator relaxante não ajuda muito nisso, mas os protagonistas cobrem muito os defeitos. É um jogo que requer uma certa paciência visto que um lado dele, no caso a gameplay, se esvai rapidamente, e que só se mantém caso o jogador realmente queira ver para onde a história vai. Mas sem dúvida algo que deve ser experimentado por quem tiver a chance.

 

Considerações Finais (Com Spoilers)

Haven demora para oferecer uma tensão de verdade em sua história, mas ambos os finais oferecem algo excepcional, e a reta final é ótima. O ponto alto do jogo poderia envolver um pouco mais dos outros personagens apresentados durante o meio do jogo, talvez como vilões mais presentes, mas a história da relação indireta dos personagens é prazerosa de se descobrir. Mas esses pontos não tem grande influência, já que é algo da reta final e não estraga o jogo.

Envy