Shaman King (2021) #6 | Yoh vs HoroHoro

Shaman King (2021) #6 | Yoh vs HoroHoro

A primeira fase da Luta dos Xamãs tem início, e a primeira luta de Yoh é contra o orgulho dos Ainu, HoroHoro e seu espírito guardião Kororo. Durante, a luta Yoh e HoroHoro conversam sobre sonhos e sua maneira de realizá-los.

Esse foi um episódio bem divertido e interessante, ele começou já mostrando a repercussão do finalzinho do episódio passado, em que Ren assassinou o juiz encarregado de testa-lo. Nessa cena de início temos Silva em choque que uma brutalidade dessas tenha acontecido e que o Grande Espírito ainda permita Ren participar da luta enquanto os outros juízes parecem alegres, afirmando que um candidato com força suficiente para eliminar um deles seja um presságio de um poderoso Rei Xamã vindo. Após ocorre uma conversa entre Goldiva, a chefe da tribo dos Patch, e Silva sobre como o Grande Espírito pode ser onipotente e onisciente mas mesmo assim não consegue prever o futuro, e que tudo depende de resultados e por isso a luta dos Xamãs é realizada, para que o futuro seja revelado por meio do resultado de seus participantes. É uma cena muito boa e que aproveita bastante da proposta da obra, é até estranho pensar que essa cena não estava no anime de 2001.

As regras da luta dos Xamãs basicamente consistem no participante vencer 2 de 3 lutas para seguir para a próxima etapa e a primeira luta de Yoh é contra o xamã HoroHoro, um Ainu, tribo de xamãs que usa seus poderes para se comunicar e viver em equilíbrio com a natureza. Os diálogos entre Yoh e HoroHoro acabam roubando os holofotes nesse episódio, pois nesse episódio a maior força de Shaman King já está mais uma vez se fazendo presente, sua forma de trabalhar os personagens, cada um que está no torneio tem seus motivos para querer se tornar o Rei Xamã, como Yoh querendo ter uma vida fácil ou HoroHoro que quer criar uma gigante plantação de Fuki para salvar os espíritos da natureza Koropokkoro da extinção. Normalmente num shounen é comum momentos da famosa “vou botar meus sonhos ao lado do protagonista e ter fé que ele vai realizar todos”, porém em Shaman king é interessante como cada personagem quer realizar isso por si só, o próprio HoroHoro diz para Yoh que o sonho é algo que você precisa realizar por si só quando o protagonista oferece que se ganhar o torneio ele vá realizar o sonho do jovem Ainu também. Essa vontade dos personagens de Shaman King de se colocarem como protagonista em suas próprias histórias torna eles tão humanos e também dá mais individualidade e carisma a eles.

É incrível como Shaman King é totalmente o clichê bem feito que te emociona, questão que já levantei nós comentários do episódio 4. A obra é originalmente de 1997, época em que a fórmula padrão de Battles Shounens que conhecemos hoje eram os hits do momento e eu acho que tanto para época quanto agora a linguagem de Shaman King funciona, antigamente como um produto da própria época e atualmente como uma alegoria a tudo aquilo que foi construído entre os anos 1990 e início dos anos 2000. O roteiro é cheio dos clichês da época mas a forma que é executado acaba sendo tão bem feita com seus momentos construídos da maneira certa que acaba levantado não só o ânimo para ver o prosseguimento da obra quanto uma sensação de nostalgia dos Battle Shounens clássicos.

A luta teve um bom ritmo, seguindo bem os moldes do episódio passado com ótimos momentos chaves e momentos criativos e os diálogos, apesar de quebrarem um pouco esse ritmo, acabaram agregando bem esses momentos chaves com a emoção necessária a ser passada pro telespectador. Yoh acaba levando a vitória dessa luta e ganhando a amizade de HoroHoro, e devido o respeito que os dois acabaram obtendo um pelo outro desenvolvem uma amizade. Perto do final do episódio Yoh e Manta tem outro diálogo muito bom sobre sonhos, sobre como pelo é difícil um rei alcançar seus próprios desejos pois os súditos estão correndo atrás de seus próprios sonhos, como as pessoas estão sempre vivendo em busca de realizar seus próprios objetivos, e que talvez seja o dever do Rei Xamã criar um mundo onde é possível esses sonhos existirem, novamente um diálogo que aproveita muito bem a mensagem que a obra quer passar e a forma como ela trabalha seus personagens.

Com um episódio forte e divertido, Shaman King continua melhorando muito e sabendo criar seus ganchos para os próximos episódios, com o próximo sendo a luta de Yoh contra o sinistro Faust VIII. Até a próxima semana eu que o Grande Espírito esteja com vocês!

Money

Apenas um maluco qualquer que gosta de dar sua opinião sobre os desenhos Japonês que assistiu