Ansatsu Kizoku #2 | Desse isekai eu posso gostar?

Ansatsu Kizoku #2 | Desse isekai eu posso gostar?

Minhas expectativas estavam bem baixas com esse anime, por ser um Isekai, mais um no meio de tantos…

Mas me sinto enganado! O Isekai é bom, abaixo o preconceito!

Pois bem, esse segundo episódio continua na parte introdutória da obra, onde a estreia parou, nele entendemos um pouco mais sobre os motivos que a deusa tem para querer ver o herói morto, sobre como ele em breve mataria o demônio e em seguida se tornaria o responsável pelo fim do mundo, e que por isso ele deve entrar em cena nessa pequena margem para agir, para impedir que essa catástrofe aconteça. Nosso protagonista até tenta descobrir se existem outras formas de salvar o mundo evitando mortes, o que foi uma questão válida para um personagem que busca uma mudança de vida, uma forma de deixar a vida de assassino para trás, mas é algo que fica em aberto e que só saberemos mais para frente.

Um ponto interessante nisso é que ele começa sua nova vida praticamente continuando de onde sua antiga parou, de certa forma, pois ele é o herdeiro de uma família real de assassinos. Não são pessoas distantes desse estigma, é o mesmo jeito de viver que ele quer deixar para trás ao recomeçar, e seria muito bom ver a obra tentando distanciar ele disso. Talvez não aconteça por esse caminho se pensarmos naquela prévia do primeiro episódio, aquela chacina durante o leilão, mas podemos ter esperanças de um desenvolvimento de personagem bem feito né?

Outro ponto que vale destacar sobre sua família é o fato deles serem exaltados como aqueles que tratam do mal do reino, mantendo ele puro, saudável. É um paralelo peculiar com sua antiga vida já que, em teoria, ele fazia o mesmo no “mundo real”, matando pessoas más. Mas a gente sabe que o mundo não funciona bem assim né, ele já deve ter matado muita gente inocente apenas por trabalho, então é outra situação que a história pode seguir aqui, o fato de que a chance dele matar inocentes nesse mundo é bem menor, mas mesmo assim, isso vai justificar as mortes de quem for culpado? vai trazer paz a sua consciência continuar matando mesmo quem merece?

Teve uma coisa que me incomodou enquanto assistia mas que depois, pensando sobre isso, passou a fazer sentido no contexto que a obra quis passar naquele momento. Quando ele recebe toda a informação sobre aquele mundo num piscar de olhos antes de reencarnar, achei a cena um desperdício pois era toda uma quantidade de experiência de vida não mostrada, apenas contada, só que mais tarde percebi que aquilo não faria tanta diferença para um protagonista como esse pois, por ser o melhor assassino do mundo, ele provavelmente já seria altamente adaptável a diferentes cenários e acabaria entendendo rápido sua nova vida, não gerando tantos conflitos assim.

Então deixaram de lado toda essa situação de “conhecer o novo” para lidar mais com a parte emotiva do personagem, pelo menos é o que ele deseja nesses primeiros episódios, viver para si mesmo. Por conta disso, esse segundo episódio tem um clima bem legal enquanto vemos ele crescer e criar laços com sua família, esse sentimento de felicidade fica até mais implícito para o protagonista quando ele comenta que a comida não está tão boa quanto estaria no seu mundo, mas que estranhamente aqui ela está melhor, tudo por conta dessa sua nova família.

Por enquanto, temos um início promissor. O anime não tem um ritmo lento e também não se apressa em te passar informações, ele vai para os pontos-chave corretos para fazer a história andar e possui diversos caminhos em aberto que podem ser trabalhados no restante da temporada. Um aspecto negativo desse segundo episódio e que parece que vai continuar são os diálogos expositivos, estou contando com que a trama tenha mesmo algum peso aqui por essa exposição dificulta um pouco o envolvimento emocional com os personagens, se continuar nesse ritmo podemos chegar num ponto em que nada que acontecer com eles vai de fato importar, por conta deles não serem exatamente orgânicos como deveriam.

No fim do episódio vemos Lugh (agora o protagonista tem um nome que ainda acho nada comercial), com seus novos olhos místicos que o dão diversas habilidades que o ajudarão a continuar crescendo como o maior assassino desse mundo mágico.

Mas você não pode ser poderoso num mundo mágico sem saber magia, não é verdade?

E é na chegada de sua instrutora de magia que se encontra nosso gancho para o próximo episódio, onde começaremos a conhecer, junto com Lugh, tudo que ele ainda não domina. Por conta de sua habilidade de criar novos feitiços e por ter vindo de um mundo bem mais “avançado” do que aquele em que se encontra, que está em algum período pré-moderno e pós- medieval, devemos ver mais coisas adaptadas a um mundo mágico vindo dele, tal qual a panela de pressão que ele cria nesse episódio, o da sniper que ele usa no episódio passado. Enfim, muitos questionamentos, muitas suposições e somente uma certeza: Eu criaria nomes melhores para esse anime!

Vitto

Após fracassar em conseguir uma armadura de bronze, decidiu escrever sobre cultura japonesa. De vez em quando sai algo bacana. Já te disse que tenho um blog?