Crítica | WandaVision: 1×03 “Agora em Cores”

Como havíamos visto no segundo episódio, Wanda está tentando ignorar nossa própria realidade para ter uma vida tranquila ao lado de Visão (que ainda não temos ideia de como está ali, vivo ou não). Remodelando todo o cenário após o choque do fim do segundo episódio, somos transportados para a atmosfera das sitcoms dos anos 70, onde agora o casal precisa lidar com uma gravidez precoce e acelerada de Wanda.

Eu não preciso repetir em como acertam em cheio no tom das sitcoms, não é? Do timing cômico à inocência dos personagens diante das situações cotidianas como um pano de fundo para a verdadeira trama. Aquela cena onde o Visão começa a desconfiar da situação e há um corte repentino na tela indicando uma mudança da realidade me deu calafrios, principalmente por vermos que Wanda está disposta a tudo para manter sua vidinha perfeita. Que outra maneira de sentirmos desconforto quando estamos felizes diante dessa vidinha perfeita até que algo se desencaixe mais nem menos?

Após os difíceis nascimentos de Billy e Tommy, os já conhecidos Célere e Wiccano, a cartas então começam a serem distribuídas.

“He was killed by Ultron, wasn’t he?”

Eu tinha em teoria comigo de que Wanda estava criando todos os elementos da realidade, e isso incluía as pessoas também. Falta de atenção e engano meu, todos ali dentro aparentam ser infiltrados da S.W.O.R.D. que, de alguma forma, está tentando manter o casal aprisionado lá dentro, que como vemos no final do episódio após Geraldine ser arremessada para fora sem dó pela heroína, de algum tipo de campo de força cercado por uma concentração militar. O que diabos está acontecendo neste “Show de Truman”, afinal?

É provável que muitos estejam tarjando a série de “cringe” pelo tom inocente e super cômico da série, característica entranhada nas sitcoms que estão servindo de inspiração. Repito aqui que este é um dos pontos mais altos apresentados até agora, e não algo para ser considerado vergonha alheia. Vocês não enjoam de apenas ação e tela verde, não?

Sem bancar o pretensioso ou grandiloquente, o terceiro episódio de WandaVision é certeiro em já colocar mais algumas cartas em jogo, e sem dúvidas nos fazer instigar por mais, funcionando como uma ponte para o próximo arco da história agora que sabemos um pouco mais da situação. Seja em novas teorias ou mais perguntas sobre o que está acontecendo, esta série segue sendo deliciosíssima de se assistir sem bancar a grandiloquente. Espero muito que mantenham este padrão de qualidade (birra de fã mimado cofcofTheLastJedicofcof) e, acima de tudo, o tempo dos episódios. Seria muito fácil uma série desse tipo cair na enrolação se seguissem os habituais 40 minutos. Aqui tudo é mais preciso e saboroso.

P.S.: Eu NÃO consigo deixar de sentir um frescor de satisfação quando a já famosa abertura da Marvel Studios começa a rolar. Me faz lembrar dos anos anteriores, quando havia todo um misticismo nas sessões de cinema dos filmes do MCU.

Vitto

Após fracassar em conseguir uma armadura de bronze, decidiu escrever sobre cultura japonesa. De vez em quando sai algo bacana. Já te disse que tenho um blog?