Mieruko-chan #2 | Como desperdiçar boas ideias

Mieruko-chan #2 | Como desperdiçar boas ideias

Errei em esperar demais da narrativa desse anime ou ele realmente está abaixo do que devia?
É importante começar o artigo com essa pergunta porque, vendo esse segundo episódio, acho que preciso alinhar minhas expectativas novamente porque para aqueles que, assim como eu, ficaram curiosos com o caminho que o anime poderia desenvolver, esse segundo episódio foi bem frustrante.

Acho que essa minha frustração fica evidente quando a gente para pra pensar sobre o episódio em si. Vemos mais do dia-a-dia da Miko e da Hana na escola, o episódio se passou quase todo nesse ambiente escolar. Os espíritos continuam não sendo visualmente muito assustadores porém inseridos da maneira certa, quase jumpscares porém um pouco mais leves, talvez até um pouco menos aterrorizantes do que no primeiro episódio.

A única coisa que parece crescer sem limites é o fanservice, que já estava exagerado no episódio passado, nesse então nem se fala, é como se a qualquer momento fosse virar um hentai, naquela cena da enfermaria principalmente, além do espírito ser quase um daqueles monstros com tentáculos que atacavam japonesas em animes antigos, foi bem bizarro.

Perceberam?
Esse segundo episódio foi quase todo uma repetição do primeiro. Não tem nada de novo, nada que atraia o público a continuar assistindo isso, e para um anime com uma proposta simples, é triste que não consiga começar a contar qualquer história, por mais idiota que ela seja. E exatamente por ser uma proposta simples, ele já começa a soar repetitivo desde agora, acho que ninguém aguenta assistir terror moderado e fanservice em excesso repetidas vezes, por mais tarado que o espectador otaku possa ser.

Aparentemente as assombrações funcionam igual COVID: álcool neles!

Finalmente, após quinze minutos de pequenos sustos e muito ecchi entrando gratuitamente em cena, chegamos nas cenas finais que acrescentam alguma coisa pro conceito do anime, no caso a cena do gato abandonado na rua que elas encontram, ali foi realmente o ponto alto do episódio, em todos os aspectos. Primeiro, porque a situação toda é bem bacana, do anime mostrando como as aparências enganam, e do background do cara que ficou com o gato, de como os espíritos de outros gatos seus e de sua mulher que faleceram continuam com o acompanhando, foi uma cena bem tocante.

Essa cena também serviu para nos mostrar mais sobre a interação dos espíritos com outras pessoas além da Miko, como as assombrações rodeando aquele rapaz que queria ficar com o gato, dando a entender que eles podem influenciar as pessoas a cometerem atrocidades, quem sabe o que o rapaz com aquela aura pesada poderia fazer com o gato. Também podemos ver que não existem apenas assombrações naquele mundo, as boas almas continuam vagando por aí, seja protegendo seus entes queridos que ainda vivem ou até mesmo vendo a sociedade continuar rodando, porque não.

Quem sabe ainda procurando um propósito pendente para resolver antes de deixar esse mundo, a gente pode supor aqui o que se passa na mente perturbada desse autor. Porém isso é muito pouco, cinco minutos finais que trazem algo novo para fazer a história rodar após todo o resto de episódio de ecchi gratuito não dá para se envolver emocionalmente com a obra assim, muita gente acaba dropando o anime aqui porque ele falha em engrenar de vez sua história sendo repetitivo, e desnecessariamente sexual demais.

Fiquei com a impressão que o gato também conseguia ver os espíritos. Também acharam isso?

Artigo ficou curto né?
Não teve muito para onde correr essa semana, esse segundo episódio não acrescentou em nada. Eu tô esperando que ele ao menos tente contar uma história, por pior que ela seja porque eu preciso ter o que comentar aqui, preciso argumentar. Estava muito hypado com a proposta desse anime mas agora não sei o que pensar, só sentir.

Vitto

Após fracassar em conseguir uma armadura de bronze, decidiu escrever sobre cultura japonesa. De vez em quando sai algo bacana. Já te disse que tenho um blog?